Alexandra Bracken · Nível de inglês básico · Nível de inglês intermediário · Resenha

Resenha: Passenger, Alexandra Bracken

PASSENGER

SINOPSE

Etta Spencer perde absolutamente tudo o que conhece e ama em apenas uma noite. Levada para uma mundo desconhecido por uma estranha com intenções perigosas, Etta está certa de uma coisa: Ela não viajou apenas alguns quilômetros, mas para anos longe de casa. Além disso, ela descobre que herdou um legado do qual nunca ouviu falar, de uma família que ela conhece menos ainda. Até agora.

Nicholas Carter está feliz com sua vida no mar, livre dos Ironwoods – uma poderosa família nas colônias – e da escravidão que ele conheceu em suas mãos. Mas com a chegada de uma passageira inesperada em seu navio, seu passado vem a tona, e ele não consegue mais fugir da família que não aceita deixa-lo ir. Agora os Ironwoods estão procurando por um objeto roubado de grande valor, objeto que eles acreditam que apenas Etta conseguirá encontrar. Para proteger sua passageira, ele deve acompanhar Etta e fazê-la devolver o objeto – querendo ou não.

Skoob | Goodreads

OQUEEUACHEI

Alexandra-Bracken-Passenger

Mesmo sabendo da existência da trilogia distópica super famosa da Alexandra Bracken – The Darkest Minds –, essa é a primeira vez que leio uma obra da autora, e fiquei muito feliz com o que li.

O livro tem um começo bastante lento, mas esse detalhe é bem comum em livros que apresentam uma trilogia/série. É preciso explicar o contexto e o mundo em que a história vai se passar. No caso de Passenger, o leitor vai ter seu primeiro contato com Etta, uma violinista que está tentando o seu melhor para ser reconhecida, e sua mãe, única família de Etta, com quem a protagonista tem um certo problema.

Tudo começa a ficar complicado quando Etta é uma das violinistas a se apresentar em um concurso, e conhece uma participante muito estranha… e que é a chave para o começo da próxima aventura de Etta. A trama começa em Nova York dos dias atuais, mas 99% do livro acontece no passado. Etta vai parar em um navio, onde conhece Nicholas (o capitão), e desembarca em uma Nova York completamente diferente, onde ela encontra uma missão impossível, recuperar um objeto roubado por alguém de sua família, e trazê-lo de volta sem ser vista ou pega por outros viajantes do tempo. 

Nicholas é o melhor interesse romântico que já li esse ano. Apesar de ter uma tarefa que vai além do seu interesse, o passado de Nicholas é muito triste. Ele tenta fugir dos Ironwoods desde que nasceu, e para isso faz qualquer acordo, inclusive o de assegurar que o objeto perdido seja retornado, mesmo que isso não seja o correto. Ao longo da viagem com Etta o leitor conhece Nicholas, e entende suas decisões, inclusive aceita o que ele precisa fazer… A liberdade é muito importante para um negro, filho de escrava que nunca foi aceito na família, e nem por seu pai branco.

O livro começa a ficar super dinâmico depois que alguns eventos são esclarecidos, e Etta e Nicholas seguem as pistas para encontrar o tal objeto. A aventuras que os dois vivem em diversos lugares do passado são muito divertidas de um ponto de vista histórico, e todos os ambientes e características foram muito bem escritos pela autora, especialmente no final, com o cliffhanger e a vontade de gritar porque o próximo livro só será lançado em 2017.

NOTA

SENSACIONAL

CONSIDERAÇÕESFINAIS

Como disse ali em cima, Passenger é muito bem escrito, apesar de ter um começo mais lento. Os personagens são apresentados por cima, mas ao longo do enredo o leitor conhece melhor todos eles, em especial a história do Nicholas e da mãe da protagonista, que apesar de não ser um exemplo maravilhoso de mãe, ajuda Etta da melhor maneira possível

O desenrolar da história não é o processo mais rápido que já li, o que é bom, porque muita coisa acontece, mas todas elas são explicadas da melhor maneira possível, sempre deixando um gancho para o que vai acontecer em seguida… Até chegar no final, que sério, é de fazer qualquer leitor que se apegue em personagens queira correr em círculos implorante pelo próximo livro de uma vez.

PARAQUEMEURECOMENDO

Se você gosta de viagens no tempo, romance, uma vibe Indiana Jones e muita ação, então Passenger é uma ótima leitura.

Infelizmente o livro ainda não foi lançado aqui no Brasil, e nem tem previsão, mas se você quiser ler, com um inglês básico/intermediário conseguirá fazer a leitura tranquilamente.

postrenata

Anúncios

3 comentários em “Resenha: Passenger, Alexandra Bracken

  1. Ele tem romance, mas digamos que não é o o assunto central, ele faz parte do background da história toda, então acho que não te irritaria muito, e ajuda por não ser aqueles romances melados e chatos hahahaha

  2. Aaahhh, não tem previsão de lançamento no Brasil? Poxa vida….
    Tem MUUUITO romance? Adoro viagens no tempo, Indiana Jones e muita ação, mas não curto nadica de romance….
    Me estressaria muito?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s