Kerstin Gier · Resenha

Resenha: Dream a Little Dream, Kerstin Gier

unnamed sinopse

Portas misteriosas com puxadores em forma de cabeça de lagartos. Estátuas de pedra falantes. Uma garota louca com uma machadinha. Sim, os sonhos de Liv tem sido extremamente estranhos. Mas a coisa mais estranha é que ela reconhece os meninos neles. Eles são colegas de classe de sua nova escola em Londres, a escola onde ela está começando de novo porque sua mãe as mudou para um novo país – de novo. O mais estranho é que esses meninos parecem saber de coisas sobre Liv que eles simplesmente não poderiam saber, o que não faz nenhum sentido e Liv não consegue resistir a um bom mistério…

SkoobGoodreads

oquenosachamos unnamed Pela primeira vez, um livro causou sensações completamente opostas em nós duas. Ambas nos apaixonamos e concordamos que fomos totalmente conquistadas por Kerstin Gier com a trilogia Ruby Red e pegamos essa nova trilogia para ler extremamente empolgadas…e aí que as coisas começam a se complicar, haha. Enquanto eu simplesmente adorei Dream a Little Dream, a Renata simplesmente não conseguiu gostar tanto, especialmente por causa da narradora, a Liv, que é extremamente irritante na maior parte da história (ok, mais uma coisa que concordamos, haha). Ela tem 15 anos, mas sua forma de agir é de uma criança com no máximo 10. A menina é infantil e super boba no começo do livro, e nada me incomoda mais do que uma protagonista infantil. Além de reclamar o tempo inteiro por ter que recomeçar sua vida em Londres com a mãe e a irmã, quando a possibilidade de ter uma família surge, é incrível como ela aceita rápido… E as coisas mais simples são motivo de reclamação. No entanto, eu devo acrescentar que eu até consegui entender o motivo da menina ser do jeito que é…com tantas mudanças e uma família completamente disfuncional. Liv basicamente tem a companhia constante da irmã mais nova e uma babá – que durante muito tempo eu imaginei como uma senhora de idade e fiquei chocada ao descobrir que na real, ela é bem jovem, haha. Os pais, constantemente trabalhando pouco estão presentes e ainda arrastam as duas por diversos países sem se estabilizarem em lugar nenhum. Fora que, a mãe das meninas é extremamente egoísta e parece se preocupar mais com os filhos do namorado e a nova vida que a aguarda do que com as próprias filhas. Essa foi a personagem que mais me irritou no livro todo. Conforme a leitura avança, essa personalidade da Liv começa a melhorar e ficar menos irritante quando a amizade dela com o grupo de meninos da escola começa. Não é exatamente um relacionamento profundo que ela desenvolve com eles, mas já ajudou e muito na evolução da personagem, que infelizmente não acompanha a trama do livro, que é mistério atrás de mistério e a sensação na leitura foi grande parte de enrolação, mas no caso, devo confessar que Ruby Red, nesse aspecto seguiu o mesmo caminho. Enquanto a Renata amou de paixão os três livros e apesar de ter gostado muito, no final do último, eu tive uma sensação de que foram três livros quando não havia tanta necessidade assim…coisa que também aconteceu em Dream a Little Dream. Mas uma coisa temos que concordar, todo o suspense em torno dos sonhos e suas milhares de portas acabaram prendendo nossa atenção a ponto de nos fazer discutir o assunto em períodos aleatórios. Não podemos aprofundar muito sobre o que os sonhos significam exatamente, porque seria um baita de um spoiler, mas podemos avançar que é bem legal e interessante! Outra coisa que chamou a atenção e que ainda nos perguntamos aonde se encaixa direito na história, é um jornal de fofocas da escola da Liv, o que deu um toque de Gossip Girl na coisa toda. No entanto, ainda não há exatamente uma explicação para ele existir, além de ser extremamente interessante e divertido. Vamos aguardar para ver se ele promete algo mais revelador, ou está ali apenas para ilustrar e ser um diferencial. notabommuitobom consideracoesfinaisÉ impossível não comparar Dream a Little Dream com Ruby Red, apesar de tramas completamente diferentes. Gier, escreve histórias diferentes e que causam a atração imediata do leitor. Infelizmente, ela acaba pecando na hora de segurar o mistério e a coisa toda passa a sensação de enrolação. Há um gancho que deixa o leitor bem curioso pela continuação e para enfim entender algumas das revelações do final do livro, mas como primeiro volume, é fraco e a sensação foi que foi preciso muitas voltas para enfim se chegar a uma conclusão. Já para Renata, Dream a Little Dream passou a sensação de ser apenas um romance contemporâneo. Vamos aguardar agora para descobrir o que o próximo volume nos fará pensar! assinaturaflaren

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s